Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A arte de divagar

Um blog como qualquer outro, sem nada a acrescentar, escrito por alguém que pensa que as suas opiniões dizem alguma coisa ao mundo.

A arte de divagar

Um blog como qualquer outro, sem nada a acrescentar, escrito por alguém que pensa que as suas opiniões dizem alguma coisa ao mundo.

02.Abr.17

SIC Notícias quer pagar-lhe para escrever notícias

original.jpg

 

Ler notícias, ter acesso aos maiores acontecimentos gratuitamente e ainda ser pago por isso? Só é preciso saber algum português e trabalhar um pouco - depois de passar num teste de estupidez.

 

Isto porque, de acordo com a SIC Notícias, pelos vistos qualquer um agora pode trabalhar no que quer que seja!

A notícia original é sobre a Netflix e o facto de "qualquer um poder ser tradutor". Começa assim:

 

"Ver filmes e séries de graça e ainda ser pago por isso? Só é preciso ser fluente em algumas línguas e trabalhar um pouco - depois de passar num teste de aptidão."

 

"Só é preciso ser fluente em algumas línguas e trabalhar um pouco" - ou seja, qualquer um pode fazer e ainda por cima trabalha só um pouco. Isto de ser tradutor realmente é super fácil e ainda por cima ganho dinheiro a fazer nenhum. Melhor que aquilo de clicar nos anúncios! 

 

Se pensarmos bem, como eu até gosto de ver Mentes Criminosas e Investigação Criminal também me podia tornar detective. Melhor: como de vez em quando vejo Anatomia de Grey e sei o que é um cateter, até devia era tornar-me médica ou enfermeira!

 

Os tradutores continuam a sofrer do grande mal da depreciação. Não se dá valor nenhum a esta profissão que tanto dá ao mundo e que toda a gente acha que pode fazer só porque "fala um pouco inglês". Vamos lá entender uma coisa de uma vez por todas:

  • Só por sermos fluentes não quer dizer que possamos traduzir. Isso é o mesmo que dizer que só porque sei matemática ou dou uns toques em geometria posso ensinar. Mas falta-me técnica.
  • Só porque dizem que a pessoa X é boa a inglês não quer dizer que essa pessoa possa traduzir. Isso é o mesmo que pedir ao miúdo de 4 anos, que até sabe pintar dentro das linhas, para nos pintar a casa. Vai-lhe sempre faltar a experiência.
  • Só porque o teu sobrinho está a aprender inglês na escola e a professora diz que ele é um excelente aluno não quer dizer que ele possa traduzir. Falta-lhe conhecimento.

 

Há mil e uma coisas que podia acrescentar àquela lista, mas nem devia ser necessário. No caso de ainda não ter percebido, vou tentar explicar de outra forma:

 

Olha para o telemóvel. Super intuititivo, fácil de mexer, igual a tantos outros. Agora vai às definições de idioma e muda para uma língua completamente diferente da tua e sobre a qual não tens conhecimento. Confirma a alteração e bloqueia o telemóvel. Agora tenta ir novamente às definições e alterar a hora, ejectar o cartão de memória ou fazer o que quer que seja. E agora? 

 

Assim seria o mundo sem tradutores. Uma valente confusão de comandos e letras. Caso te tenhas esquecido, foi um tradutor especializado em localização que traduziu todos os comandos desse teu telemóvel e os recriou de forma a que conseguisses entender o que o telemóvel pede e soubesses trabalhar com ele. Um outro tradutor especializado em localização fez o mesmo com o teu tablet, a tua televisão, a tua PlayStation, etc. E teve que ser um tradutor especializado porque um tradutor de meia tigela qualquer poderia chamado às definições de hora "definições de horário", que embora seja parecido não significa a mesma coisa. 

 

Agora olha para um livro que tenhas à tua frente de um escritor estrangeiro. Vai ao google e procura um resumo desse livro na língua do escritor e lê o resumo desse mesmo livro e/ou a biografia do autor.

Até podes conseguir entender o que aí está, mas enquanto demoras cerca de 1 minuto a ler na diagonal um resumo de um livro, numa língua estrangeira que não entendes a 100% podes demorar até 10 minutos a conseguir decifrar o que ali está. Para além de o teu cérebro se cansar muito mais! Aqui foi um tradutor literário, que é basicamente um segundo escritor, que passou horas a fio (e, quem sabe, noites em branco), que reescreveu a história tão elegantemente que te esqueces que o autor não é português. Já se fosse o google tradutor teríamos um grande problema, já que "o céu estrelado" podia muito facilmente ser traduzido como "o céu com estrelas". Não tem o mesmo efeito, pois não? E isto sou eu a dar exemplos muito básicos.

 

Agora outra coisa igualmente importante: manuais de instruções e contra-indicações/informações de medicamentos. Pensa no teu filho/a ou irmão/irmã ou até mesmo em ti quando estás prestes a construir o que quer que seja ou precisas de ajuda a montar alguma coisa. Tu, português, vai tentar ler as instruções em sueco. Ou alemão. Ou polaco. Por acaso pensas que foi o google tradutor que fez esse trabalho? Mal estávamos nós! Vai na volta e o google pedia-nos para engolir uma peça em vez de a encaixar onde quer que fosse. Ou dizia-nos para tomar um medicamento de forma oral quando o devíamos dissolver em água ou algo do género.

 

Isto, minha gente, é o que faz um verdadeiro tradutor: salva vidas, ajuda-nos nas tarefas diárias. E nem por isso é visto como herói.

 

Quantas vezes não vemos nós paródias de uma tradução ou legendagem mal feita. É engraçado, admito, e pode acontecer aos melhores. Mas quantos de nós já pararam para pensar que houve um ou mais tradutores a trabalhar para nós, completamente no anonimato, para que pudessemos ter acesso a informação correcta e privilegiada?

Mas em vez disso pensam quase todos como a SIC Notícias, que diz que qualquer um pode traduzir. E depois acontecem erros como este:

 

17761508_1463054337073493_1399911053_o.jpg

 

Como a imagem fala por si, fico-me por aqui. Vou ver mais um episódio da Teoria do Big Bang para ver se consigo tornar-me um génio da física como o Sheldon Cooper.

2 comentários

Comentar post