Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A arte de divagar

Um blog como qualquer outro, sem nada a acrescentar, escrito por alguém que pensa que as suas opiniões dizem alguma coisa ao mundo.

A arte de divagar

Um blog como qualquer outro, sem nada a acrescentar, escrito por alguém que pensa que as suas opiniões dizem alguma coisa ao mundo.

28.Mar.19

E quando as receitas são mais difíceis que fazer que nos vídeos?

E quando as receitas são mais difíceis que fazer

Aquela ali é, sem tirar nem pôr, a minha expressão quando vejo alguns vídeos de receitas da Tasty.

 

Já mais que uma vez fiquei eu cheia de pujança para fazer uma qualquer receita, certificando-me que tinha os ingredientes todos, até que...

 

Raios, mas como meço estas quantidades? E que informação falta aqui?

 

E o resultado acaba em algo comestível, mas não apetecível. Se me faço entender. Porque, sim, os olhos também comem.

 

Se calhar, é de bom tom dizer que não cozinho todos os dias. Vou dividindo essa tarefa com a minha namorada e só há coisa de uns 4 anos é que comecei mesmo a cozinhar (isto já depois dos 20). Precisamente depois de ler/ver receitas online. Gosto de cozinhar e inventar, mas quem também não gosta de ver receitas online para surpreender??

 

Há instantes vi um vídeo de 7 minutos com as 10 melhores receitas do Tasty. Babei-me com metade, enquanto a outra metade sinceramente não me diz nada. Apeteceu-me comer a metade pela qual babei. 

 

Facto é que soube quase imediatamente que, se tentasse replicar alguma daquelas receitas, algo ia correr mal. Não sei se por causa de, no vídeo, demorar 3 minutos a fazer enquanto que, em casa, é uma hora inteira + lavar pratos, mas há sempre algo que me falha.

 

A minha (ainda) inexperiência joga contra mim, pois claro. Aquilo que considero, por vezes, medidas aceitáveis acabam afinal por ser medidas a mais ou a menos. E, por alguma razão, nunca consigo cortar uma cebola daquela forma e acabo por culpar as minhas habilidades de cortar cebola.

 

Passadas as dificuldades da cebola e estando tudo o resto a correr estranhamente bem, chega a hora de ir ao forno. Passa-se os 20 minutos (ou o tempo necessário), vou, esperançosa, colher os frutos do meu trabalho e deparo-me com o horrível estado da coisa. A expectativa no nível 40, a realidade bem mais perto do 4.

 

Quero eu apresentar algo bonito à minha cara metade, e o que me sai é algo que parece queimado.

 

Ainda assim, vou insistir e persistir até conseguir o auge de ter uma receita melhor que o Tasty.